Detectando a bulimia e a anorexia
05/11/2009 - Bulimia e a anorexia, algumas dicas podem ajudar os pais no reconhecimento destas doenças.

Detectando a bulimia e a anorexia

Algumas dicas podem ajudar os pais no reconhecimento das doenças

A supervalorização da beleza que dita o padrão magro e musculoso como o ideal, leva muitos jovens ao exagero e, por consequência, desenvolvem transtornos alimentares como bulimia e anorexia. Pais desavisados se perdem diante da realidade e toda informação é importante para saberem conduzir os filhos.

Uma das características dessas doenças é que os jovens não aceitam a condição de doentes. Uma boa dica é, em caso de suspeitas, os pais ou responsáveis marcarem uma consulta com o dentista. Por que o dentista? “Estas doenças são facilmente detectadas numa consulta de rotina, porque afetam muito os dentes”, explica o cirurgião dentista Lauro Delgado, especialista em estética e reabilitação oral da clínica Odonto Integrada Delgado.

Erosão ácida acelerada, doença periodontal, inflamações na gengiva, sangramentos e perdas ósseas são alguns dos sérios problemas decorrentes da bulimia e anorexia. “Os dentes ficam muito gastos, quebradiços e porosos. Dependendo do avanço das doenças em três ou quatro meses a pessoa perde os dentes”, alerta.   

O tratamento odontológico inclui restauração dos dentes com resina ou cerâmica e acompanhamento. E, nada de clareamento, pelo menos no começo. “É inviável o clareamento porque pessoas com estas doenças têm os dentes extremamente sensíveis”, explica Delgado. “Só pode ser aplicado quando estiverem em processo de cura”, completa.

Mas, o paciente precisa também ser tratado com psicólogo e nutricionista para controle das doenças. Vale ressaltar que o quanto antes detectadas, melhor.
 
A psicóloga Walnei Arenque dá outras dicas para os pais ficarem alertas.

- Grande perda de peso em um espaço relativamente curto de tempo;

- Vestir roupas largas para esconder o corpo ou a perda de peso;

- Obsessão com o seu peso e reclamação que está gordo(a) (ainda que esteja na média ou mesmo abaixo do peso);

- Obsessão com calorias e quantidade de gordura dos alimentos;

- Obsessão com exercício físico

- Constantes idas ao banheiro após a refeição (muitas vezes, abrindo a torneira para que os sons de vômitos não sejam ouvidos)

- Restrição visível a vários tipos de alimentos e longos períodos sem comer;

- Compulsão alimentar e/ou purgação visíveis;

- Uso de medicamentos como moderadores de apetite, laxantes, enemas (atenção: pode ser que a pessoa use em segredo);

- Isolamento. Recusa em se alimentar na frente de outras pessoas e/ou em público;

- Esconder comida em locais estranhos (armários, malas, debaixo da cama) para evitar comer (anorexia) ou para comê-la mais tarde (Bulimia);

- Preocupação exagerada com comida, peso, preparo de receitas;

- Sentimento de fracasso e culpa depois de comer;

- Oscilações de humor. Depressão. Fadiga.

Toque Feminino
redacao@toquefeminino.com.br